Brasil Dairy Trends 2020

213 premiumização e sensorialidade Brasil DairyTrends 2020 8.1 O mercado de produtos premium e gourmet Um relatório desenvolvido pela Confederação das Indús- trias da Índia afirma que o mercado para produtos artesanais é o de maior e mais rápido crescimento do setor leiteiro da Índia e está estimado em US$ 11,07 bilhões. O crescimento desse setor está estimado em US$ 1,1 bilhão anualmente e engloba produtos como paneer (queijo fresco), dahi (iogurte), rasogolla (doce em formato esférico) e shrikhand (doce de coalhada), entre outros (ÍNDIA, 2004). O mercado brasileiro de queijos, segundo a Mintel, cresceu em volume 9,4% ao ano e em faturamento total 7,7% ao ano, no período de 2006 a 2013, e deverá aumentar seu ritmo de evolução até 2017. A projeção da empresa de pesquisa é de que os volumes vendidos cresçam, em média, 11,4% ao ano, entre 2014 e 2017, e os valores anuais de venda 11,1% no mesmo período. O mercado deverá atingir R$ 20 bilhões em vendas em 2017 (CARVALHO; VENTURINI; GALAN, 2015). O consumo per capita de queijos no Brasil teve crescimen- to médio anual de 8,3% entre 2006 e 2013. Essa evolução levou o consumo brasileiro a uma média per capita de 5,3 kg por ano, que já é maior do que o consumo verificado no Méxi- co, mercado ao qual normalmente somos comparados quando se avaliam o tamanho e o potencial de determinado mercado, o interesse em investimentos multinacionais, entre outros pa- râmetros. A projeção é de que se chegue a um consumo per capita de 8 kg de queijos por habitante/ano em 2017, proje- tando um crescimento anual médio de 10,5%, entre 2014 e 2017 (CARVALHO; VENTURINI; GALAN, 2015). O perfil de consumo de queijos no Brasil ainda é base- ado em queijos “convencionais” como a mussarela, queijo Prato e requeijão, os quais perfazem 68,9% do volume total de queijos produzidos no País. Os queijos especiais ainda contam com apenas 6,3% do volume (CARVALHO; VENTU- RINI; GALAN, 2015). No entanto, com o aumento do poder aquisitivo da população, os brasileiros estão comprando mais queijos especiais, destacando que as vendas desse tipo de produto cresceram 15% em 2010 (AUMENTO..., 2010). Aproximadamente, 50% da produção de queijos industriali- zados e artesanais está concentrada em Minas Gerais, berço da indústria queijeira no País (SALAZAR, 2015). O mercado de produtos segmentados tem crescido de for- ma acentuada nos últimos anos, fato relacionado com pes- Com o aumento do nível de educação, informação e renda da população, entre outros fatores, os consumidores passa- ram a valorizar mais a culinária e as experiências sensoriais, o que influenciou tanto o setor de serviços de alimentação como as indústrias alimentícias. Em especial, aqueles seg- mentos de produtos de maior valor agregado devem continuar tendo crescimento no consumo. Isso vale tanto para produtos gourmet e premium , geralmente destinados à população de alta renda, quanto para os alimentos sofisticados que têm preço acessível para os consumidores emergentes, segmen- tos estes que deverão representar os grandes mercados para a indústria de alimentos no futuro (BARBOSA et al., 2010). Em 2014, 145 milhões de pessoas, ou 59% dos norte -americanos, compraram alimentos gourmet . As vendas no varejo superaram os US$ 70 bilhões, um aumento de 18,8% em relação ao período anterior de dois anos (TANNER,2014). Noventa e seis milhões de americanos compraram alimentos gourmet para uso diário e 52 milhões o fizeram para os lan- ches (TODAY’S..., 2014). Chocolates, óleos e queijos gour- met são comprados por mais da metade dos consumidores, enquanto café, salgadinhos, carnes/aves/peixes, sobremesas congeladas, bebidas não alcoólicas, pão/assados e chá gour- met são comprados por mais de 40% (TODAY’S... 2014). No Brasil, os alimentos e as bebidas gourmet / premium ti- veram o dobro do número de exportações no ano de 2014, em relação a 2013. De janeiro a outubro de 2015, as empresas incluídas no Projeto de Exportações Brazilian Flavors vende- ram um total de US$ 52,9 milhões ao mercado externo. En- tre os produtos exportados destacam-se molhos e sobremesas gourmet , chocolates e cafés premium , castanhas (Brazilian nuts), doces, pães de queijo congelados, licores, energéticos orgânicos, alimentos prontos embalados a vácuo, sobremesas congeladas, queijos típicos do Brasil e snacks , entre outros (ALIMENTOS..., 2015). Segundo o relatório da Nielsen, divulgado pela Associa- ção Paulista de Supermercados (Apas), dos 19.600 produtos lançados no varejo brasileiro em 2011, metade pertenceu à categoria premium . Entre os lançamentos, 50,3% foram da categoria high price , 13% da medium price e 36,7% da cate- goria low price . O número de lançamentos em 2011 foi 24% maior do que em 2010 (GUIMARÃES, 2012).

RkJQdWJsaXNoZXIy MTgxNA==