Brasil Dairy Trends 2020

70 densidade nutricional e conveniência Brasil DairyTrends 2020 4.1 Consumo de produtos lácteos e nutrição Figura 4.1. Macrotendência Densidade Nutricional e Conveniência: tendências e plataformas de inovação. Macrotendência Tendências destacadas Plataformas de inovação Densidade Nutricional e Conveniência Enriquecimento de dieta Produtos lácteos de elevada densidade nutricional (proteínas, cálcio, vitaminas etc.); Produtos lácteos fortificados/enriquecidos; Fortificação de produtos com ingredientes lácteos. Praticidade de nutrição Snacks de produtos lácteos; Snacks com produtos lácteos; produtos on- the-go ; produtos para breakfast ; refeições líquidas, shakes etc. O consumo de leite e derivados, de modo geral, tem au- mentado nos últimos anos. De acordo com o IFCN Dairy Re- port 2016, considerando todos os tipos de leite (vaca, búfala, cabra, ovelha e camela), o consumo per capita médio de leite no mundo em 2015 foi de, aproximadamente, 114 equiva- lentes kg de leite ECM 1 (HEMME, 2016). Assim como ocorre com os principais alimentos ricos em proteínas, o consumo de lácteos é maior nos países desenvolvidos, conforme se pode observar na Figura 4.2. Apesar de ser um dos maiores produtores de leite do mundo, o Brasil não se destaca no consumo do produto, apresentando um padrão superior apenas ao de países africanos, asiáticos e alguns sul-americanos. No entanto, o consumo per capita bra- sileiro cresceu consideravelmente na ultima década. Em 2015, cada brasileiro consumiu, em média, 174 litros de leite (Figura 4.3), ou seja, 50 litros a mais de leite do que consumia em 2000, o que representa um avanço para o setor. Esse nível equi- vale a cerca de 480 mL de leite consumido por dia. Figura 4.2 Comparação do consumo per capita de leite no mundo em 2015 (em equivalente kg de leite ECM). Fonte: IFCN Dairy Report 2016 (Hemme, 2016). 1 Todos os derivados lácteos foram convertidos para equivalente kg de leite e ainda corrigidos para ECM, que é o padrão de correção de energia, correspondente a 4% de gordura e 3,3% de proteína, de acordo com os teores médios do Brasil.

RkJQdWJsaXNoZXIy MTgxNA==